ArtigosEm Destaque

5 tendências da revolução digital no chão de fábrica

Henry Ford introduziu no mundo a produção em massa – fez uma revolução.

Henry Ford introduziu no mundo a produção em massa – fez uma revolução.

Hoje, as empresas estão usando a tecnologia para passar da produção em massa para a produção personalizada – estão fazendo uma revolução.

O desafio atual da indústria é entregar o produto certo ao preço certo para a pessoa certa – um processo bastante sofisticado.

Embora a maioria dos executivos industriais reconheça a importância dessa transformação, apenas 5% deles estão satisfeitos com suas estratégias digitais.

Prevê-se que até 2020 haverá 50 vezes mais volume de conteúdo digital em nossos computadores do que existe hoje.

Este artigo se baseia em pesquisas do consultor em tecnologia Daniel Newman, nascido nos EUA, CEO do Broadsuite Media Group e colaborador da “Forbes”.

As cinco principais tendências da Indústria 4.0.

1 – IoT
No centro da transformação industrial, a IoT movimentou mais de US$ 178 bilhões em 2016 e tem sido fundamental para proporcionar às empresas uma vantagem competitiva. A indústria lidera em IoT uma vez que essa tecnologia conectada simplificou seus processos.

Por exemplo, a IoT fornece feedback em tempo real e alerta sobre defeitos ou produtos danificados. O equipamento online é de alguma forma inteligente e capaz de tomar suas próprias decisões – o reduz o desperdício.

A incorporação da IoT na indústria 4.0 também está mudando a forma como o serviço pós-venda é fornecido, oferecendo suporte online imediato e consistente.

2 – AI e Aprendizagem de Máquinas
A capacidade de uma máquina de aprender e adotar comportamentos humanos inteligentes não é novidade. Faz uma década que o supercomputador da IBM é o maior jogador de xadrez do mundo – ele mudou para sempre o relacionamento entre homem e máquina.

Hoje, esses algoritmos avançados estão transformando a forma como a indústria de fabricação coleta informações, executa mão de obra qualificada e prediz o comportamento do consumidor.

Sistemas de TI integrados fornecem dados relevantes para a cadeia de suprimentos aumentando a capacidade de produção em 20%. A qualidade já não é sacrificada pela eficiência, pois os algoritmos de aprendizado de máquina determinam quais fatores influenciam o serviço e a qualidade da produção.

Os sensores substituíram as mãos humanas, resultando em menos tempo desperdiçado e materiais. A digitalização da indústria significa menor custo de produção, mudanças rápidas e satisfação da demanda dos clientes.

3 – Robôs
No passado, os robôs foram utilizados para executar tarefas tediosas e repetitivas na linha de montagem. Hoje, no entanto, os robôs têm mais destreza e mais memória.

Altamente treináveis ​​e colaborativos, os robôs também estão fornecendo ambientes de trabalho mais seguros para humanos, trocando de lugar com eles em situações perigosas ou inadequadas.

Por exemplo, os caminhões autônomos usados em mineradoras podem ser controlados remotamente. Sensores fornecem feedback e dados valiosos, além de aumentar a eficiência e reduzir atrasos.

4 – Nuvem, velocidade e eficiência
Robôs e outras tecnologias automatizadas também são essenciais para melhorar a velocidade e a eficiência, permitindo que as fábricas “otimizem fluxos de trabalho de produção, inventário, Work in Progress e decisões de cadeia de valor”.

Ao integrar seus sistemas de TI, equipes em locais diferentes podem acessar dados relevantes, facilitando uma comunicação mais rápida, mais colaborativa e transparente.

À medida que a computação em nuvem cresce mais estável, os fabricantes estão começando a implementar seu software com mais confiança. Com este novo nível de precisão preditiva vem uma melhoria em todos os processos.

Um exemplo: a empresa de cereja Califórnia Prima Frutta instalou equipamentos automáticos em sua fábrica sem uma única contratação adicional e aumentou a produção em 50%.

Esta tecnologia conectada fornece feedback em tempo real para 900 funcionários, permitindo-lhes a informação necessária para tomar decisões rápidas. Como resultado, a empresa agora possui a maior linha de produção de cereja do mundo. É uma prova de que velocidade e eficiência se traduz em menores custos e melhor controle de qualidade.

5 – Big Data
Prevê-se que até 2020 haverá 50 vezes mais volume de conteúdo digital em nossos computadores do que existe hoje.

A grande análise de dados torna-se cada vez mais difícil e demorado, já que o fabricante digitalizado luta para gerenciar, atualizar e analisar informações sobre produtos e consumidores.

Muitas empresas estão movendo conteúdo para a nuvem, bem como para o local, para uma abordagem combinada às suas necessidades de armazenamento, gerenciamento e processamento. Informações sobre coisas como fornecimento, entrega, suporte ao cliente costumavam ser difíceis de encontrar ou pesadas para trabalhar.

Na era digital, esses dados são simplificados e compatíveis com a colaboração, aumentando a acessibilidade para todas as partes interessadas.

As empresas que contratam em conformidade e investem em tecnologia são as que prosperarão e permanecerão competitivas.

Fonte: http://www.iot24x7.com.br/5-tendencias-da-revolucao-digital-no-chao-de-fabrica/

Mais