Projeto TTN – The Things Network

A ABINC suporta o Projeto TTN – The Things Network – uma iniciativa global baseada na tecnologia LoRaWAN e construída por uma comunidade ativa no mundo todo, inclusive no Brasil.

Veja o vídeo e mais detalhes do projeto abaixo:

YouTube Video Preview

The Things Network – MISSÃO

A missão da rede que nasceu em Amsterdã e foi fundada pelo empreendedor holandês Wienke Giezeman, é prover ao mundo todo uma rede gratuita de conectividade das coisas. A rede permite que os objetos transmitam dados entre si e com a Internet.

A The Things Network foi uma das primeiras a usar a nova tecnologia de longo alcance, baixa potência e largura de banda chamada LORAWAN (criada e mantida pela LoRa Alliance) para cobrir uma cidade inteira conectando objetos como barcos, lixeiras, bicicletas, iluminação pública. A tecnologia LORAWAN é um tipo de LPWAN (Low Power Wide Area Network). A primeira versão da rede foi inteiramente financiada pelos cidadãos e empresas de Amsterdã e foi criada em apenas 6 semanas, sem usar 3G/4G ou WiFi.

Os criadores da The Things Network acreditam que com uma rede pública e aberta, a inovação e a criação de novos negócios irão florescer (criando empregos na cidade) pois a conectividade é hoje o maior obstáculo para tornar viável a maioria dos projetos de Internet das Coisas. Mesmo que a rede não tenha o objetivo de ser uma rede com nível de serviço comercial (Best Effort) ela foi importante para atrair a atenção do público e empresas para o potencial de uma rede LPWA de grande escala.

Uma corrida de 6 semanas

Wienke teve a ideia de criar a rede The Things Network em 2015 (leia a história) quando percebeu que com uns 10 gateways LoRa, ele poderia cobrir Amsterdã inteira. Ele apresentou a ideia em um Meetup de Internet das Coisas na cidade e recebeu uma resposta positiva com a adesão de vários colaboradores.

Começou então a criar a rede comunitária que desenvolvedores podem usar de forma aberta e gratuita. Empresas como a The Next Web e a firma de auditoria KPMG concordaram em hospedar gateways em seus prédios. Obteve também o apoio da Prefeitura de Amsterdã que ficou muita empolgada com a ideia. A empresa Deloitte, além de apoiar a iniciativa deu suporte técnico e jurídico a rede.

Com a nova tecnologia é possível construir a rede de internet das coisas sem 3G ou WiFi. Ela tem um alcance maior do que o WiFi (medido em kilômetros) e não necessita de um plano de assinatura mensal, como o 3G. Além disso o consumo de energia é muito baixo, o que permite que os dispositivos possam ficar até 3 anos com uma única carga de bateria.

Alcance Global

Os fundadores da rede querem ir além de Amsterdã e alcançar o mundo todo. Várias cidades do mundo iniciaram a implantação da rede e no final de 2015 foi lançada uma campanha global no Kickstarter para o desenvolvimento de um gateway próprio para a rede (ver link abaixo).

No Brasil existem comunidades criadas em São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Curitiba, Londrina e Florianópolis. Vejam todas as comunidades aqui: https://www.thethingsnetwork.org/country/brazil/

Outros Recursos e Informações:

Website: https://www.thethingsnetwork.org/

Fórum: https://www.thethingsnetwork.org/forum/

Slack: https://thethingsnetwork.slack.com/

Kickstarter: https://www.kickstarter.com/projects/419277966/the-things-network?ref=nav_search