Início Artigos A cadeia de valor de IoT e a importância do ecossistema

A cadeia de valor de IoT e a importância do ecossistema

Por Daniel Laper
1 comentário

Internet das Coisas é um jogo coletivo, onde para endereçamento de uma determinada oportunidade, seja ela de ganho em eficiência operacional, novas receitas ou melhoria de experiência de usuário/cliente, se faz necessária a combinação de diversos componentes, muitas vezes providos por diferentes atores. Essa cadeia de valor de IoT pode ser representada de diversas maneiras, e adotamos na Figura 1 a visão da Gartner (1) dessa cadeia para ilustrar o papel e importância dos principais nós dela:

cadeia de valor de IoT

Sensoriamento (Dispositivos/sensores): É a ponta inicial da cadeia de IoT, camada algumas vezes denominada “Edge” (borda). É composta pelos dispositivos físicos que captam as informações e eventos, sendo exemplos dela, rastreadores de carro e outros ativos, medidores inteligentes de água, eletricidade ou gás, sensores de solo, qualidade do ar e ruído, entre outros. Esses dispositivos, além de captar informações, podem executar ações. No caso dos medidores inteligentes, por exemplo, pode ser realizado o corte de energia em caso de inadimplência e religamento em caso de quitação. Em casos mais sofisticados pode ser aplicado Edge Computing, adicionando algum grau de inteligência nesses dispositivos, permitindo que eles analisem localmente informações captadas e executem ações sem que seja necessária interação com uma aplicação remota – por exemplo, em casos de uso que demandem resposta em tempo real, como veículos autônomos ou drones em situações extremas como risco de colisão e ausência de comunicação disponível.

Comunicação (Redes): É o elemento de conectividade que permite que os dispositivos enviem informações para a aplicação que irá processar os dados. De forma geral, existem muitas diferentes tecnologias de conectividade para IoT, cada uma com características específicas que habilitam diferentes casos de uso. Os critérios mais observados para seleção da tecnologia são o consumo de bateria do dispositivo, capacidade de envio de informação, alcance da comunicação e custo. Por exemplo, para casos que demandem tráfego de pouca informação e baixas distâncias, como smartwatches ou fones sem fio a smartphones, Bluetooth é uma opção muito utilizada. Já o 5G, que vem sendo muito colocado com um forte potencializador de IoT, tem como ponto forte o baixíssimo tempo de resposta, habilitando, por exemplo, casos de uso como carros autônomos e aplicações de realidade aumentada, onde atrasos na comunicação podem resultar em má experiência do cliente ou até mesmo risco à vida. A Figura 2 mostra algumas das tecnologias de comunicação para IoT baseado em análise do BNDES (2), e suas respectivas características em termos de cobertura (alcance) e performance (capacidade de transmissão de dados):

cadeia de valor de IoT

Entendimento (Big Data e Analytics): É a camada de processamento das informações coletadas pelos dispositivos visando apoio à tomada de decisões e ações. Com a expansão exponencial do volume dos dispositivos, cresce em proporção ainda maior o volume de informações captadas. Dados do Digital Economic Report 2019 da ONU (3) apontam que a expectativa é que o volume de tráfego de informações entre 2017 e 2022 triplique, indo de 46.000 GB/segundo para 150.700 GB/segundo. Sendo assim, se apresenta o desafio de como armazenar e processar esses dados de forma a gerar informação com valor, e também combinar essas informações com dados vindos de outras fontes, por exemplo, dados de mobilidade urbana com dados de clima e segurança pública, a fim de agregar o máximo de relevância possível às conclusões tiradas e idealmente chegando ao nível de possibilitar predição de eventos, ou seja, projeção de cenários futuros com base nas informações analisadas.

Ação (Inteligência Artificial): Camada para potencialização do valor gerado pelas análises das diferentes informações captadas e combinadas, permitindo no extremo a automação do processo de tomada de decisão e ações em situações específicas. Essa automação traz como principais benefícios o significativo aumento da velocidade dos processos, diminuição da taxa de erros por interferência humana e redução dos custos por transação, além da possibilidade de maior absorção de insights a cada interação que retroalimentam e “ensinam” os algoritmos de inteligência artificial, os tornando incrementalmente mais eficientes.

Segurança: É uma camada crítica, muitas vezes citada como uma das principais barreiras para o sucesso de IoT. O aumento exponencial de objetos captando informações de diferentes casos de uso e as transmitindo através de diferentes tecnologias para aplicações que podem estar hospedadas em diferentes ambientes traz um novo patamar de risco de segurança. De um lado, essas diferentes combinações de soluções trazem, na mesma escala de possibilidades, vulnerabilidades, tanto de ordem física no dispositivo quanto no momento da comunicação e no ambiente de armazenamento e processamento das informações. Por outro lado, com sensores por todas as partes nos mais diversos casos de uso, temos esses riscos de segurança podendo afetar, por exemplo, o funcionamento da cadeia de distribuição de eletricidade, os semáforos e a iluminação pública de uma cidade, os equipamentos de uma fábrica ou os eletrodomésticos de uma casa. Outra tecnologia emergente comumente associada a esse tema é o blockchain, que através de padrão de controle descentralizado pode ser um importante elemento de segurança no âmbito de Internet das Coisas.

Apesar de essas cinco áreas apontadas pelo Gartner serem as principais para qualquer solução de IoT, num ponto de vista mais amplo é possível observar que essa cadeia de valor se desdobra num ecossistema mais vasto de participantes, com poder de impactar na velocidade, escala e efetividade das iniciativas, e dessa forma fazendo relevante a observância e consideração dos mesmos na definição de uma estratégia de fomento de ecossistema. A Figura 3 mostra essa visão expandida do ecossistema, e quanto mais diversos e maduros os participantes, maior a chance de desenvolvimento de iniciativas de IoT com escala e impacto.

No próximo artigo exploraremos mais a fundo as verticais de oportunidades que são habilitadas por essa cadeia de valor de IoT e ecossistema de participantes.

Referências:

  1. IoT Technology Disruptions – A Gartner Trend Insight Report (2017) 
  2. BNDES – Plano Nacional de IoT – Roadmap Tecnológico  
  3. ONU/UNCTAD – Digital Economy Report 2019 

Você também pode gostar desses...

1 comentário

LoRa quebra recorde enviando dados a mais de 800 km de distância 7 de maio de 2020 - 18:39

[…] característica importante dos aplicativos conectados ao ecossistema de IoT é que, muitas vezes, eles estão instalados em áreas distantes da infraestrutura tradicional de […]

Responder

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao clicar em "Aceito", você concorda com o nosso uso dos cookies e tecnologias similares. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies