fbpx
Início Artigos Cobertura do IoT Networking Happy Hour de Novembro – Parte 2

Cobertura do IoT Networking Happy Hour de Novembro – Parte 2

Por Marcus Vinicius Rocha
0 comentário

Na última semana apresentamos um pouco das oportunidades agregadas no segundo IoT Networking Happy Hour realizado na IoT OpenLabs, (veja aqui). Quando foi apresentado o inédito estudo “IoT na América Latina e Caribe 2019” realizado pelo Inter-American Development Bank com contribuição da ABINC.

Em um evento organizado para a troca de ideias de maneira informal e descontraída não faltou oportunidade para conhecer os diferentes modelos de negócio que buscam soluções para os inúmeros desafios da sociedade, das organizações e do campo. Empreendedores de diferentes tamanhos tiveram a oportunidades de compartilhar suas pesquisas e desafios para os avanços da IoT no Brasil. Assim, contribuindo e expandindo a comunidade de Internet das Coisas.

Para aqueles entrevistados pela ABINC, a conectividade, a disponibilidade de dispositivos e a escalonidade são os principais desafios para os avanços da IoT. Também por essa razão, formar uma grande rede ativa com a participação de produtores de dispositivos e integradores se faz tão importante.

Com quase 40 anos de experiência na área de dados, Oswaldo Conti-Bosso, fundador da BWS Tecnology, empresa especializada na área de rastreamento de veículos, aposta em grandes oportunidades geradas através da Internet das Coisas.

“Hoje eu tenho mais de um milhão de equipamentos de rastreador no Brasil e agora estou lançando equipamentos de IoT, de telemetria, com solução hibrida para LoRa e outros produtos. Essa é a perspectiva do mercado e a visão que eu tenho para as próximas décadas. O mercado anseia por nova soluções disruptivas de tecnologia para a redução de custos somados a melhoria de soluções. Eu vejo com bons olhos as oportunidades que temos pela frente, estou otimista.”

Para Conti-Bosso, o evento foi uma grande oportunidade para gerar contatos e abrir algumas janelas no mercado. O executivo destacou o interesse em capacitar seus técnicos através dos treinamentos oferecidos pelo IoT OpenLabs, assim como torna-se membro da ABINC, interesse compartilhado por outro entrevistado, Ricardo Oliveira, da Tecexpert.

Especializada em soluções de conectividade sem fio através de Wi-Fi, ambiente LoRa e bluetooth. Oliveira destaca que hoje a empresa esta desenvolvendo aplicação para carros autônomos, ambientes autônomos e o AgroMobility (veja aqui),  uma solução portátil que garante conexão ao ambiente de agronegócio.

“O ponto principal é a conectividade. Hoje nós temos uma solução chamada carretinha móvel, que leva conectividade onde não existe a presença de operadoras. Utilizamos soluções de satélite e painéis solares para alimentação, utilizando redes wi-mash para poder promover essa conexão de sensores e equipamentos”, comentou Oliveira.

Sobre os desafios do IoT, o executivo destacou que devido o atual cenário econômico do país, as empresas estão mais seletivas na hora de fazer algum investimento, e que muitas vezes acabam optando por escolhas mal orientadas. Mas através da IoT, informações essenciais para a tomada de decisão como em que investir, pode resultar em medidas efetivas nos processos produtivos.

O diretor da Topcomm, Seido Nakanishi, traz um outro olhar sobre os desafios para expansão da IoT. Ele entende que a IoT é uma dos componentes que compõem uma solução, o elemento essencial para por em prática um projeto de baixo custo.

“Ela pode ser uma tecnologia chave, o elemento que faltava para viabilizar principalmente dispositivos de baixíssimo custo de monitoração e implementação, e assim, conectá-los a rede. Tecnologias convencionais como GPRS ou pacote de dados tornam-se muitas vezes inviáveis. Por exemplo: se cada medidor de água custar R$ 2 por mês para estar conectado já é um problema para a empresa de saneamento”, comentou.

A Topcomm é especializada em soluções customizadas baseadas em sistemas embarcados, utilizando software open source, o que segundo Nakanishi contribui para que os clientes fiquem livres de custo de licenciamentos. Entre os principais projetos desenvolvidos o executivo destacou um sistema na área de radares para uma empresa subsidiária da Embraer e o primeiro sistema de leitura de código de barras da livraria Saraiva.

Você também pode gostar desses...

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Ao clicar em "Aceito", você concorda com o nosso uso dos cookies e tecnologias similares. Aceito Leia Mais

Política de Privacidade e Cookies