ArtigosEm Destaque

Previsões para o Mercado de IOT

De acordo com a Global Data, o mercado global da tecnologia da Internet das Coisas (IoT), que consiste de software, serviços, conectividade e dispositivos, alcançará US$ 130 bilhões em 2018, e deverá atingir US$ 318 bilhões até 2023, a uma taxa composta de crescimento anual de 20%.

As soluções para governo, serviços públicos e manufatura dominam o mercado, com um total de 58% da oportunidade em 2018 e uma redução para 55% do mercado em 2023, enquanto outras como viagens e lazer crescerão. Energia e transporte são outras grandes verticais, com uma combinação de 15% do mercado em 2018 e 2023.

Embora os dispositivos e a conectividade de IoT recebam bastante destaque de fornecedores e operadoras, o software e os serviços constituem a maior oportunidade. Esta categoria inclui engenharia, instalação, manutenção e gerenciamento de projetos, bem como plataformas de IoT, serviços de desenvolvimento de aplicativos e software.

Isto também inclui computação em nuvem, aprendizado de máquinas e serviços de segurança associados a implantações de IoT. Embora o software e os serviços ainda indiquem claramente liderança de receita até o final do período, a taxa de crescimento de 2018 a 2023 deverá ser ligeiramente maior para conectividade e dispositivos, já que novos serviços LPWAN (Low Power Wide-Area Network) e 5G, e o aumento de edge computing, respectivamente, impulsionarão maior crescimento de receita.

No lado da corporativo, as empresas estão apenas começando a usar a IoT para obter mais do que controle de custos ou aprimoramentos de produtividade e operações. As implantações estão ficando maiores e mais linhas de negócios dentro de uma determinada empresa estão vendo oportunidades. Recursos aprimorados por novas tecnologias, como realidade aumentada e virtual, e aprendizado de máquinas/inteligência artificial (IA) vão mudar a maneira como as empresas usam a IoT, com o objetivo final de permitir que elas melhorem não apenas seus produtos e processos atuais, mas também gerem novos fluxos de receita através do desenvolvimento de novos produtos e serviços.

À medida que 2018 chega ao fim, Cyrus Mewawalla, Chefe de Pesquisa Temática da GlobalData, faz suas previsões sobre cinco grandes temas de tecnologia associados à Internet das Coisas em 2019:

1) As casas automatizadas

À medida que mais eletrodomésticos se conectarem, o poder competitivo mudará dos fabricantes de dispositivos para as plataformas de software da IoT em nuvem, que controlam esses dispositivos.

O desenvolvimento das casas inteligentes ocorrerá gradualmente nos próximos anos. Com a tecnologia de voz começando a usurpar a tecnologia touchscreen, os alto-falantes inteligentes serão mais importantes do que os smartphones para funções de automação residencial.

À medida que mais eletrodomésticos se conectarem, o poder competitivo passará dos fabricantes de dispositivos para as plataformas de software em nuvem da IoT, que controlam esses dispositivos. A Sonos sairá da posição de líder em inovação em 2015, com o seu próprio ecossistema de última geração, para fabricar hardware de alto-falantes como commodities em 2020, no espaço de apenas 5 anos.

2) Veículos autônomos

Nos próximos anos, a fotônica de silício tornará os sensores 3D significativamente mais baratos, menores e mais precisos, liderados pela Velodyne; no entanto, a Continental, a Bosch e a Valeo a estão alcançando.

Carros totalmente autônomos exigirão girar os sensores 3D LiDAR no teto, o que permitirá ter uma visão de 360 graus. Nos próximos anos, a fotônica de silício tornará os sensores 3D significativamente mais baratos, menores e mais precisos, liderados pela Velodyne; no entanto, Continental, Bosch e Valeo estarão se aproximando.

Em 2019, a concorrência aumentará entre montadoras e empresas de tecnologia. Os dados dos sensores serão o chip de barganha: enquanto o Google Waymo, o Uber, o Baidu, o NuTonomy (Aptiv) e outros têm capacidade militar, serão as montadoras como a BMW, Audi e GM que possuirão a maior parte dos dados de sensores de suas frotas instaladas.

3) Internet das Coisas industrial

Blockchain vai além do setor financeiro para o setor industrial, em meio ao crescente clamor sobre segurança cibernética, com a IBM e a Accenture na vanguarda.

Com a escassez de engenheiros de software de primeira classe, 2019 provavelmente verá uma enxurrada de aquisições/contratações no espaço da IA, em parte devido às crescentes demandas do projeto Industrial 4.0 da Alemanha, e de coisas fabricadas na China em 2025.

4) Comércio Ambiental

Os varejistas usarão mais câmeras para rastrear compradores e uma série de algoritmos de computador para analisar e prever seu comportamento e tornar sua experiência de compra mais eficiente.

Os varejistas usarão mais câmeras para rastrear os compradores e uma série de algoritmos de computador para analisar cada gesto deles, a fim de prever seu comportamento e tornar sua experiência de compra mais eficiente.

A China é pioneira no desenvolvimento de lojas automatizadas, não tripuladas, com até 500 itens de supermercado baseados em smartphones, digitalização e pagamento automático. Serão as casas intermediárias inteligentes e conectadas, entre lojas de conveniência e quiosques. Elas serão unidades móveis autônomas, capazes de atender áreas rurais e arredores das grandes cidades, especialmente quando as infraestruturas das cidades se tornarem mais inteligentes, de acordo com o projeto de cidades inteligentes da Alibaba, baseado em Hangzhou.

5) Internet das Coisas na medicina

Na sequência da série de ataques cibernéticos de 2018 contra hospitais, alguns provedores de TI, como a IBM, vão tentar reconstruir os sistemas ERP (Enterprize Resource Planning) a partir do zero usando a tecnologia blockchain.

Os grandes nomes dos sistemas de registro eletrônico de pacientes (REP) − Cerner e McKesson − passarão grande parte de 2019 atualizando seus sistemas de TI de assistência à saúde para lidar com dados mais complexos na nuvem.

Até 2019, a Verb, uma joint venture entre a Google e a Johnson & Johnson de 2014, lançará uma plataforma cirúrgica 4.0 que integra IA, visualização e instrumentação avançada.

Em 2020, a Microsoft se tornará um participante da MedTech, pois seus óculos de realidade mista HoloLens serão adotados em treinamento médico e possivelmente em cirurgias.

Da mesma forma, a Apple fará dos serviços de saúde uma prioridade em 2019 com uma variedade de aplicativos de bem-estar e uma reinicialização do Healthkit, a estrutura iOS da Apple para compartilhamento de dados de saúde e fitness em aplicativos.

Portanto, conforme observamos, não faltam oportunidades no setor de IoT que não para de crescer. E a sua empresa, quais soluções tem desenvolvido? Deixe os seus comentários a seguir!

Associado da ABINC tem como benefícios:

+ Ter acesso às demandas e necessidades de IOT do mercado (empresas e governo);

+ Networking com todo o ecossistema de IOT ABINC;

+ Ter seus casos de sucesso em IOT divulgados para todo o mercado.

Quanto maior for a nossa comunidade, mais forte e representativo será o nosso setor. Participe!

Clique aqui e saiba mais.

 

Tags
Mais