fbpx
ArtigosEm Destaque

Veículos autônomos estarão nas ruas nos próximos anos

Já faz muito tempo que aguardamos a chegada dos veículos autônomos, e graças à evolução tecnológica e a ampliação da internet das coisas, muito em breve será possível aposentar o motorista atrás do volante ou pelo menos diminuir a necessidade de um dentro dos automóveis.

É verdade que ainda vivemos na era dos conceitos e protótipos apresentados por montadoras e empresas da indústria logística e de transporte, mas para especialistas do setor, os autônomos ganharão as ruas nos próximos 10 anos.

A perspectiva deste futuro tem incentivado estudos sobre o impacto dos veículos autônomos na sociedade – como um realizado pela Strategy & PwC indicando que até 2030, o setor logístico se transformará em um ecossistema de veículos autônomos dirigidos por uma cadeia de suprimentos digitalizada, combinando caminhões autônomos e centros de distribuição com robôs.

Segundo a pesquisa, realizado no mercado europeu, os custos logísticos de transporte por caminhão cairão em 47%, em grande parte pela redução da mão de obra. Já os prazos de entrega cairão 40%, principalmente pelo fato dos caminhões autônomos poderem viajar sem a necessidade de interrupções para descanso.

Volvo Vera, veículo totalmente autônomo e elétrico. Em breve realizará o transporte de cargas de um centro de logística para um terminal no porto de Gotemburgo, na Suécia.

Para lagar na frente diante as transformações no mercado automotor impulsionado pela internet das coisas, as empresas estão lançando mão de grandes investimentos. A Daimler Trucks criou uma organização interna para desenvolver caminhões autônomos dentro da próxima década, com um aporte inicial de 556 milhões de euros.

O grupo irá se concentrar na pesquisa e desenvolvimento, abrangendo o software e o hardware necessários para que os caminhões operem de forma autônoma, juntamente com a infraestrutura e o sistema de rede necessária para que esses veículos naveguem pelas estradas.

A rede de pizzarias Domino’s também resolveu apostar no mercado de entrega por autônomos através de uma parceria com a Nuro. A rede pretende lançar ainda neste ano o veículo de entrega de pizzas não tripulado na cidade de Houston, nos Estados Unidos.

Os clientes selecionados que fizerem o pedido online terão a opção de usar o veículo de entrega autônoma, chamado R2. Os clientes podem rastrear o veículo no aplicativo da pizzaria e receber um código PIN para desbloqueá-lo e acessar sua pizza.

“A oportunidade de oferecer aos nossos clientes a escolha de uma experiência de entrega não tripulada e de nossas operadoras uma solução de entrega adicional durante uma corrida movimentada é uma parte importante de nossos testes de veículos autônomos”, disse Kevin Vasconi, vice-presidente executivo e CIO da Domino’s.

A rede varejista Walmart também tem planos para testar um veículo de entrega autônomo ainda neste ano. As vans sem motorista serão lançadas na cidade americana Surprise, no Arizona. Segundo a Bloomberg, o presidente do Walmart, Greg Foran afirmou que os veículos autônomos operando na “meia milha” entre os armazéns do Walmart e os quiosques de coleta adjacentes poderiam reduzir os custos de logística pela metade para pedidos online.

A Uber já realiza testes com veículos de transporte de passageiros autônomos há alguns anos, mas um gigante vindo de outro mercado pode fazer concorrência aos veículos sem motoristas da empresa – no futuro. A companhia Alphabet, empresa-mãe da Google, recebeu aprovação para testar seus veículos na Califórnia.

A iniciativa ainda está no começo e tem algumas restrições, como não realizar cobrança pelo transporte de passageiros durante o teste e colocar em todos os veículos um motorista pronto para assumir o controle do volante em caso de emergência. A empresa usará modelos Jaguar I-PACE, 100% elétrico, e um Chrysler Pacifica, que tem motorização híbrida (uma combinação de motor elétrico e motor a combustão).

Associado da ABINC tem como benefícios:

+ Preços promocionais nos eventos da associação;

+ Ter acesso às demandas e necessidades de IOT do mercado (empresas e governo);

+ Networking com todo o ecossistema de IOT ABINC;

+ Ter seus casos de sucesso em IOT divulgados para todo o mercado.

Quanto maior for a nossa comunidade, mais forte e representativo será o nosso setor. Participe!

Clique aqui e saiba mais.

Referências: Bloomberg, Supply Chain Dive, Techcrunch

Tags
Mais