IA cada vez mais discretamente presente nas casas inteligentes

A pouco mais de uma década imaginava-se a casa do futuro onde robôs inteligentes organizariam a rotina doméstica e quase tudo pudesse ser acionado por comandos de voz, como abertura de janelas, troca de canais na televisão, acionamento das luzes etc. Esse mundo repleto de robôs antropomórficos e luzes neon foi e ainda é retratado nas telas como o ápice do desenvolvimento tecnológico da humanidade, mas devo dizer que toda essa tecnologia há muito está presente em nossos lares, de forma muito melhor do que a imaginamos.

A casa inteligente de 2020 possui tudo aquilo que já foi imaginado e visto nas obras de ficção cientifica, mas toda essa tecnologia não salta aos nossos olhos e muito menos exige ser vista, já que a discrição dos dispositivos inteligentes é essencial para que eles sejam bem recebidos pelo público consumidor. Dispositivos de limpeza são pequenos, quase do tamanho de pequenos pets, e os assistentes virtuais se camuflam como dispositivos de som.

No cerne destes dispositivos estão duas tecnologias, a capacidade de comunicação sem fio e a inteligência artificial (IA) que, somada ao aprendizado de máquina, é extremamente importante para que os dispositivos possam aprender a executar tarefas humanas de maneira autônoma. E se tratando de casas inteligentes, a IA talvez seja a cereja do bolo para dar mais comodidade aqueles que vivem nestes ambientes.

Em uma casa moderna quase tudo está conectado, e tudo que está conectado pode ser controlado através de um smartphone. Mas com uma assistente virtual, tudo passa a controlado através de um simples comando de voz, basta acionar sua assistente (Ok Google, e aí Siri ou Alexa). As assistentes virtuais vão ainda mais além, podendo também ajudar a organizar a sua vida com lembretes de reuniões, pedidos de veículos de transporte ou de comida, através de Apps já conhecidos por todos.

Esse mercado ainda em grande expansão tem muito a oferecer aos consumidores, principalmente os milênios – aqueles nascidos entre 1985 e 2000 – mais empolgados pelas novas tecnologias. A inteligência artificial já está presente em geladeiras capazes de identificar os produtos acomodados para regular automaticamente a temperatura e ar-condicionado que armazena os dados de uso para operar automaticamente de acordo com as preferências do usuário.  

Dados da Forbes indicam que o mercado de dispositivos domésticos inteligentes deve atingir US$ 174 bilhões em 2025. O mercado imobiliário também está atento à demanda e alguns lançamentos já vêm preparados para facilitar a automação industrial do imóvel. Inclusive há construções com indicação do melhor ponto para instalar o roteador Wi-Fi.

É possível que muito em breve a comunicação entre pessoas e a IA passe a ser cada vez mais natural, como em uma conversa entre duas pessoas, não sendo mais necessário um comando de voz para a ativação do dispositivo. Este tipo de aplicação já é utilizada em chat boots, e deve passar por mais alguns upgrades até chegar às casas inteligentes.

Referências: Canaltech, Casa e Jardim

Vendas online continuam em alta mesmo após reabertura gradual do comércio

As vendas online no mercado nacional tiveram alta de 175% no mês de março, em comparação ao ano anterior. O aumento tem ligação com o distanciamento social praticado na maior parte do país, e mesmo com a flexibilização de algumas medidas, que provocaram retração em abril, as vendas online se mantiveram superior ao mesmo período do ano anterior e das previsões para o e-commerce em 2020.

Os dados foram divulgados pela Nuvemshop, plataforma de e-commerce líder na América Latina. A pesquisa mostrou que em apenas um mês o e-commerce gerou um número de pedidos 3,5 vezes maior que a maior data do varejo eletrônico do Brasil, a Black Friday.  

Mesmo com medidas emergenciais que provocaram a diminuição de salários ou com a  perda de diversos postos de trabalho, as vendas online aumentaram durante este que é um dos piores períodos de recessão do país. Nesta quarta-feira (27) a Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs), divulgou dados que reforçam a preferência pelas compras online.

No primeiro trimestre de 2020 as compras online com o cartão de crédito aumentaram 23,2%, cerca de R$ 87 bilhões. Já as compras gerais com o cartão aumentaram 14,1%, cerca de R$ 475,7 bilhões. O pagamento por aproximação, por meio da tecnologia NFC, apresentou aumento de 456% e movimentou R$ 3,9 bilhões no primeiro trimestre. O uso da tecnologia ganhou preferência durante este período de pandemia.

Esse crescimento fez com que a entidade passasse a debater o aumento do limite de transações através da NFC, que atualmente é de R$ 50. A proposta é permitir que cada emissor defina o seu limite. A tecnologia tem se mostrado segura, e não apresentou crescimento nos casos de fraudes.

O crescimento do e-commerce no Brasil é definitivo e não deve diminuir mesmo após o retorno das atividades em lojas físicas. Por isso, mais do que nunca, é importante pensar o seu negócio atuando de maneira online, seja no mercado B2C ou mesmo no B2B. Diversas estratégias podem contribuir para que as medidas adotadas para combater a disseminação do novo coronavírus não levem o seu negócio à falência.

O portal de notícias especializado no mercado online, o E-commerce Brasil, recentemente citou como exemplos positivos e inovadores durante está pandemia o programa de venda por WhatsApp “Me Chama no Zap”, da Via Varejo, dona de Casas Bahia e Pontofrio. A estratégia foi criada durante a pandemia para impulsionar a venda online da varejista além dos canais tradicionais de e-commerce — e conta com cerca de 7.500 vendedores na ativa realizando ofertas pelo aplicativo.

Segundo o diretor-executivo da companhia, Roberto Fulcherberguer, a iniciativa já responde por 20% das vendas da companhia. A estratégia fez com que o panorama de vendas — que havia despencado com as lojas físicas fechadas no início da pandemia — voltasse a ser cerca de 70% a 80% do que era em dias normais.

Soluções baseadas em IA são enriquecedoras e necessárias para todo tipo de negócio contribuindo de diversas maneiras para que sua marca permaneça competitiva no mercado. O portal IoT For All apresentou 10 maneiras como a IA pode transformar a experiencia do cliente, aqui citamos as principais:

O ponto principal é que as soluções baseadas em IA são o caminho do futuro e são um investimento necessário para as marcas permanecerem competitivas. Se você não quer ficar para trás, é hora de implementar uma ou mais das inovações listadas aqui em sua própria estratégia de marketing.

Recomendações precisas e personalizadas para clientes

A inteligência artificial pode analisar o histórico de compras de um cliente e, em seguida, fazer recomendações para outros produtos e serviços nos quais ele possa estar interessado. Essas recomendações podem ser surpreendentemente precisas e oferecem a capacidade de criar campanhas de marketing direcionadas nas quais seus clientes realmente estão interessados.

Segundo dados do Instapage, 78% dos internautas dizem que o conteúdo pessoalmente relevante das marcas aumenta sua intenção de compra. Com essas campanhas, você poderá se conectar aos clientes em um nível mais personalizado e apresentar novos produtos para aumentar suas vendas. 

Chatbots que fornecem serviço eficiente e amigável

Uma das principais preocupações comerciais que você não pode ignorar é que os consumidores exigem e esperam um serviço rápido e amigável ao lidar com qualquer empresa. Os chatbots da IA podem atender a essa demanda fornecendo serviços consistentemente eficientes e alegres.

Como assistente virtual, os chatbots podem interpretar o que um cliente está procurando, passando problemas e perguntas mais complexos para um de seus funcionários quando necessário. Os chatbots também significam menos erros ao lidar com seus clientes, usando tecnologia intuitiva para interpretar as necessidades e respostas dos clientes. 

Atendimento ao cliente ativado por voz

Alto-falantes inteligentes como Alexa e Amazon Echo revolucionaram a maneira como os consumidores estão comprando on-line, capacitando-os a encontrar as informações de que precisam e proporcionando a eles uma experiência de autoatendimento ao cliente a qualquer hora do dia. De fato, o e-Marketing prevê que até 2021, 38 milhões de pessoas farão compras através de seus alto-falantes inteligentes.

Através da interação ativada por voz, seus clientes podem descobrir mais sobre seus produtos, fazer compras e concluir transações simplesmente conversando com o alto-falante inteligente. Você será beneficiado por poder construir sua marca usando uma abordagem fácil e sem usar as mãos para se conectar com seus clientes.

Informações úteis do cliente

Usando análises de texto de comentários e críticas de clientes, a IA pode ajudar você a entender melhor seus clientes e obter informações úteis sobre seus hábitos de compra. Grande parte da experiência de compra do cliente é baseada em emoções – poder entender o que seus clientes estão sentindo à medida que interagem com você pode oferecer a vantagem superior em marketing.

Por meio da inteligência artificial, a análise de texto pode encontrar padrões na maneira como seus clientes se comunicam com você e fornecer uma boa visão do que eles querem da sua empresa. O próximo passo é atuar com soluções de acompanhamento para resolver problemas e dar a seus clientes o que eles desejam.

Compras personalizadas

Para expandir seus negócios e marca on-line, você precisa prever as necessidades de seus clientes. No passado, as empresas on-line contavam com cookies para rastreamento, para recomendar produtos semelhantes aos consumidores. A estratégia atualizada é a inteligência artificial, que usa análises preditivas para adaptar a experiência de compra de um cliente às suas próprias preferências individuais.

É essa personalização que desempenha um grande papel no local onde os consumidores fazem compras hoje, dando a você a oportunidade de refinar as estratégias de marketing para seus clientes.

Referências: IoT For All, E-commerce Brasil

Olhando para trás e para frente: como as tendências tecnológicas de 2018 serão implementadas em 2019

Por Anna Kucirkova

Nos últimos anos, as tendências tecnológicas foram cada vez mais rápidas e nos levaram ainda mais longe no futuro da ficção científica do que nossos ancestrais jamais poderiam ter previsto. De dispositivos habilitados em casas inteligentes, que controlam os termostatos e refrigeradores de todo o país, para criptografar moedas democráticas e seguras, que fornecem reservas de valor garantidas, as tendências recentes trouxeram muitas tecnologias de sonho.

Muitos avanços têm sido mais sutis, mas igualmente promissores e transformadores, desde análises inteligentes em aplicativos existentes de consumo e profissionais, até melhorias graduais mais completas da inteligência artificial, que impulsionam tudo, desde carros autônomos até a previsão de textos em seu smartphone.

À medida que estudamos as tendências tecnológicas do ano passado, analisamos melhor o que será a tendência em 2019 e mais adiante, o que dá à sua empresa uma vantagem sobre quais ferramentas e tecnologias logo estarão disponíveis para melhorar seus processos e sua produtividade.

O que parecia ficção há alguns anos, agora é possível obter com um Apple Watch comum. Imagine o que os próximos anos trarão.

Inteligência Artificial

A inteligência artificial tem sido o santo graal do aprimoramento tecnológico. Longe de ser objeto de filmes de ficção científica de décadas passadas, a inteligência artificial (ou AI) é um termo genérico para aprendizado das máquinas e outras soluções computadorizadas para problemas aparentemente complexos, que podem ser processados através de um sistema de tarefas computacionais, que resultam em “aprender” ou intuir soluções para os problemas.

Embora o aprendizado dinâmico em larga escala, como o que temos visto nos filmes que prometem soberanos robôs, ainda esteja muito distante, a AI Limitada (Narrow AI) foi uma das maiores tendências de 2018 e promete continuar no novo ano. A IA limitada consiste de soluções de aprendizado das máquinas altamente especializadas, que visam uma tarefa específica, como dirigir um veículo ou entender linguagem escrita ou auditiva.

De publicidade inteligente a pesquisas de fotos, e a carros de condução autônoma ou assistida, a IA está melhorando continuamente à medida que a tecnologia por trás dela vai sendo aprimorada.

As empresas devem se concentrar nos resultados possibilitados pelos aplicativos que atualmente utilizam a IA nas ofertas. Estes aplicativos incluem os anúncios direcionados em sites de mídia social, como Facebook e Instagram, e muitos programas de análise, além de softwares preditivos de design e logística.

Aplicações e Análises Inteligentes

Como demonstrou a primeira onda de aplicativos aumentados por IA, aplicações e análises inteligentes são uma das tendências tecnológicas mais diretas e promissoras dos últimos anos. A IA é executada num segundo plano de muitos aplicativos preexistentes, e já está melhorando invisivelmente a experiência do usuário, ou está em testes beta, à medida que os desenvolvedores de aplicativos procuram melhorar a experiência do usuário e o potencial de negócios desses produtos por meio da IA.

Análises avançadas, atendimento automatizado ao cliente e processos inteligentes estão no horizonte, à medida que aplicativos inteligentes continuam melhorando os serviços que os computadores podem oferecer. Os aplicativos inteligentes reduzem a quantidade de inputs e de aplicativos especializados exigidos pelas pessoas e pelos sistemas que elas estão usando, o que continuará a transformar o local de trabalho e as descrições de cargos em todos os setores de atividades.

Suporte virtual ao cliente, serviços inteligentes de tradução e funcionalidade expandida de aplicativos prometem reduzir a carga dos funcionários, pois os aplicativos fornecem serviços que muitas vezes costumavam exigir uma equipe de funcionários dedicados. No entanto, a intenção das aplicações inteligentes não é substituir as pessoas, mas sim aumentar sua atividade e tornar a experiência do usuário e a experiência voltada para o cliente melhor do que nunca.

Com a IA, a mesma força de trabalho pode ser radicalmente mais produtiva e os clientes podem receber atendimento mais completo e imediato do que antes. Da mesma forma, a análise aumentada usa o aprendizado das máquinas para coleta e preparação de dados, além de extrapolação e descoberta de insights, o que beneficia os usuários de negócios, as equipes de operações e os cientistas de dados.

Coisas Inteligentes

Essa tendência começou com a difusão generalizada da “Internet das Coisas” (Internet of Things, ou IoT), que incorporava sensores e conectividade Bluetooth ou wi-fi em dispositivos anteriormente estáticos, de termostatos a máquinas de lavar, de sensores industriais à monitoria de equipamentos.

Ao disponibilizar esses dispositivos online, os desenvolvedores aproveitaram o poder da nuvem e a ampla conectividade para tornar vários dispositivos mais seguros, mais eficientes e fáceis de usar. A próxima onda de Coisas Inteligentes promete combinar a primeira onda da conectividade da Internet das Coisas com os avanços da IA, o que tornará as coisas conectadas mais inteligentes. Por exemplo, a inteligência artificial em uma câmera que já se conecta a um smartphone irá alimentar modos de disparo automatizados incrivelmente poderosos, que ultrapassam de longe as configurações “auto” antiquadas das primeiras câmeras digitais.

Ferramentas autônomas, como aspiradores e equipamentos agrícolas, também passarão do uso de sensores e geofences (uma geofence pode ser gerada dinamicamente − como em um raio ao redor de um ponto, ou uma geofence pode ser um conjunto predefinido de limites simples) para “visualização” e processamento de quantidades impressionantes de dados usando conectividade em nuvem, inteligência artificial integrada e análise avançada para tomar decisões, que poderão em breve ultrapassar até mesmo um operador humano dos mais experientes.

Um dos avanços futuros mais interessantes é a natureza colaborativa de coisas inteligentes e conectadas. Diferentes equipamentos agrícolas de diferentes fases de preparação, plantio e colheita podem trabalhar juntos, ou uma equipe de dispositivos de colheita especializados pode ser capaz de tomar decisões inteligentes sobre em quais fileiras trabalhar.

A promessa dessa tecnologia é ainda mais impressionante em áreas como equipamentos militares, processos industriais e operações de busca e salvamento, onde os riscos para os seres humanos são altos, mas o nível de colaboração e tomada de decisões geralmente exclui os dispositivos computadorizados.

Da Nuvem ao Edge

A Edge Computing é um avanço da Cloud Computing (computação em nuvem), que aproxima a coleta, o processamento e a entrega de conteúdo das fontes de informação.

Maior funcionalidade incorporada à Edge é um avanço promissor que favorece as nuvens locais, que podem ser integradas a projetos de infraestrutura com um grande número de coisas inteligentes.

Mesma localização e redes específicas para a Edge tornar-se-ão mais comuns à medida que mais coisas fiquem disponíveis online e inteligentes, e os novos projetos de redes refletirão o aumento do número de coisas inteligentes nos próximos anos.

Blockchain

Blockchain foi um dos maiores chavões nos últimos anos, graças ao seu uso no mundo das criptomoedas. Blockchain é um ledger token democratizado, distribuído e descentralizado, que remove o atrito ou a propriedade de bits de informação (daí o nome “Bitcoin”, ou criptomoeda). Blockchain permite que partes não verificadas troquem informações altamente seguras através de redes padrão e promete mudar indústrias e transações privadas.

Embora a blockchain tenha aparecido principalmente nas notícias por suas implicações financeiras, ela também é promissora e útil em modelos de segurança e distribuição de conteúdo, que teriam aplicações favoráveis no governo, saúde, compartilhamento de conteúdo, logística da cadeia de fornecimento e outras situações de transferência de dados.

A maior crítica da blockchain é que o protocolo é relativamente novo e não testado – mas, os bilhões de dólares em criptomoedas demonstraram que a tecnologia está pronta para ser o centro das atenções, mesmo que não esteja pronta para o investimento especulativo desenfreado.

As empresas podem ainda não estar prontas para utilizar a blockchain em seus processos diários, mas a tecnologia está sendo ativamente desenvolvida e testada e promete transformar a distribuição de dados e a segurança em todos os setores de atividade.

Biofeedback e Biohacking*

*É a atividade de explorar experimentalmente material genético, sem relação com padrões éticos aceitos, ou para objetivos criminais.

Os kits de genômica DIY (faça você mesmo) tornaram-se radicalmente mais acessíveis à medida que empresas como a Helix continuam a estudar genomas e utilizar a tecnologia da informação para mapear rapidamente conjuntos de informações, que costumavam exigir dezenas de cientistas trabalhando 24 horas por dia durante semanas a fio.

A genômica inteligente foi uma grande tendência em 2018, desde projetos simples de ancestralidade até a identificação de riscos à saúde por meio de testes caseiros simples, que há apenas alguns anos exigiriam testes médicos intensivos que custavam milhares de dólares.

Os sensores incorporados aos smartwatches de consumo e a dispositivos de fitness fornecem mais feedback do que os equipamentos hospitalares de alguns anos atrás. Embora o biohacking seja um tópico nebuloso e potencialmente controverso, o biofeedback e os avanços médicos disponíveis fornecerão, graças a melhorias recentes na tecnologia de sensores e análise de dados, grandes avanços para a saúde humana e para os cuidados com a saúde nos próximos anos.

O futuro é agora

Não importa em que ramo de atividades você trabalhe, ou quais tecnologias sua empresa ou vida pessoal atualmente envolvam, o futuro é promissor. Agora, os carros autônomos estão mais próximos da realidade do que nunca, e a análise inteligente significa que nossos e-mails podem praticamente se autodefinir. À medida que olhamos para 2019 (e além), uma coisa é clara − se você administrar uma grande empresa intensiva em operações, ou apenas precisar de uma pequena ajuda para responder a e-mails de atendimento ao cliente, o futuro é muito brilhante.


Sobre a autora: Anna Kucirkova trabalha como redatora há mais de 4 anos. Ela fala 3 idiomas, adora viajar e tem uma paixão por crianças e por escrever. Embora ela tenha estado em muitos lugares da Europa e do Sudeste Asiático, ela ainda quer explorar o resto do mundo.

Fonte: IQS Directory

Copyright: Artigo traduzido e republicado com autorização da autora.

Associado da ABINC tem como benefícios:

+ Preços promocionais nos eventos da associação;

+ Ter acesso às demandas e necessidades de IOT do mercado (empresas e governo);

+ Networking com todo o ecossistema de IOT ABINC;

+ Ter seus casos de sucesso em IOT divulgados para todo o mercado.

Quanto maior for a nossa comunidade, mais forte e representativo será o nosso setor. Participe!

Clique aqui e saiba mais.

A Gartner identificou as 10 principais tecnologias e tendências de IoT

A Gartner, Inc. destacou as principais tendências tecnológicas estratégicas, da Internet das Coisas (IoT)*, que impulsionarão a inovação nos negócios digitais de 2018 a 2023.

“A IoT continuará a oferecer novas oportunidades de inovação nos negócios digitais para a próxima década, muitas das quais serão possibilitadas por tecnologias novas ou aprimoradas”, disse Nick Jones, Vice-Presidente de Pesquisas da Gartner. “Os CIOs que dominarem as tendências inovadoras da IoT terão a oportunidade de liderar a inovação digital em suas empresas”.

Além disso, os CIOs devem garantir que tenham as habilidades e os parceiros necessários para apoiar as principais tendências e tecnologias emergentes da IoT, já que, até 2023, o CIO médio será responsável por mais de três vezes o número de estágios finais de um período ou processo deste ano.

Analistas discutiram, durante o Gartner Symposium / ITxpo, como os CIOs poderão liderar suas empresas para descobrir oportunidades de IoT e tornar os projetos de IoT um sucesso.

A Gartner selecionou as 10 tecnologias e tendências de IoT mais estratégicas, que permitirão novos fluxos de receita e modelos de negócios, bem como novas experiências e relacionamentos:

Tendência no 1: Inteligência Artificial (IA)

A Gartner prevê que 14,2 bilhões de coisas conectadas estarão em uso em 2019, e que o total chegará a 25 bilhões até 2021, produzindo um imenso volume de dados. “Os dados são o combustível que alimenta a IoT e a capacidade da organização de derivar significado a partir dela definirá seu sucesso no longo prazo”, disse Jones. “A IA será aplicada a uma ampla gama de informações da IoT, incluindo vídeo, imagens estáticas, fala, atividade de tráfego de rede e dados de sensores”.

O cenário tecnológico da IA é complexo e continuará assim até 2023, com muitos fornecedores de TI investindo pesadamente em IA, surgindo variantes de coexistência de IA e novos serviços e licenças baseadas em IA. Apesar dessa complexidade, será possível obter bons resultados com IA em uma ampla gama de situações de IoT. Como resultado, os CIOs deverão construir uma organização com as ferramentas e habilidades para explorar a IA em sua estratégia de IoT.

Tendência no 2: IoT social, legal e ética

À medida que a IoT amadurecer e se tornar mais amplamente implantada, uma ampla gama de questões sociais, legais e éticas crescerá em importância. Estas questões incluem a propriedade dos dados e as deduções feitas a partir deles, tendência algorítmica, privacidade e conformidade com regulamentos, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados.

“A implantação bem sucedida de uma solução de IoT exige que ela não seja apenas tecnicamente eficaz, mas também socialmente aceitável”, disse Jones. “Os CIOs deverão, portanto, educar a si mesmos e seus funcionários nessa área e considerar formar grupos, como conselhos de ética, para revisar a estratégia corporativa. Os CIOs também deverão considerar ter algoritmos-chave e sistemas de inteligência artificial revisados por consultorias externas para identificar potenciais vieses ”.

Tendência no 3: Infonomics (valorização e tratamento da informação como um ativo) e transmissão de dados

A pesquisa da Gartner do ano passado sobre projetos de IoT mostrou que 35% dos entrevistados estavam vendendo ou planejando vender dados coletados por seus produtos e serviços. A teoria da infonomics leva essa monetização de dados ainda mais adiante, vendo-a como um ativo comercial estratégico a ser registrado nas contas da empresa. Até 2023, a compra e venda de dados da IoT tornar-se-ão parte essencial de muitos sistemas de IoT. Os CIOs deverão educar suas organizações sobre os riscos e as oportunidades relacionadas à intermediação de dados, a fim de definir as políticas de TI necessárias nessa área e aconselhar outras partes da organização.

Tendência no 4: A mudança da inteligência de ponta para a malha inteligente

A mudança de arquiteturas centralizadas e de nuvem para arquiteturas de ponta está em andamento no espaço da IoT. No entanto, esse não é o ponto final, pois o conjunto de camadas associadas à arquitetura de ponta evoluirá para uma arquitetura mais desestruturada, composta por uma ampla variedade de “coisas” e serviços conectados em uma malha dinâmica. Essas arquiteturas de malha permitirão sistemas de IoT mais flexíveis, inteligentes e responsivos, embora muitas vezes à custa de complexidades adicionais. Os CIOs deverão se preparar para o impacto das arquiteturas de malha na infraestrutura, nas habilidades e no fornecimento de TI.

Tendência no 5: A governança da IoT

À medida que a IoT continuar a se expandir, a necessidade de uma estrutura de governança que garanta o comportamento apropriado na criação, armazenamento, uso e exclusão de informações relacionadas a projetos de IoT se tornará cada vez mais importante. A governança abrange desde tarefas técnicas simples, como auditorias de dispositivos e atualizações de firmware, até problemas mais complexos, como o controle de dispositivos e o uso das informações geradas por eles. Os CIOs deverão assumir o papel de educar suas organizações em questões de governança e, em alguns casos, investir em pessoal e tecnologias para lidar com a governança.

Tendência no 6: Inovação dos sensores

O mercado de sensores evoluirá continuamente até 2023. Novos sensores permitirão que uma gama mais ampla de situações e eventos sejam detectados, os sensores atuais cairão de preço para se tornar mais acessíveis ou serão embalados de novas maneiras para suportar novos aplicativos e novos algoritmos surgirão para deduzir mais informações das tecnologias de sensores atuais. Os CIOs deverão garantir que suas equipes estejam monitorando as inovações dos sensores para identificar as que possam ajudar novas oportunidades e inovações empresariais.

Tendência no 7: Hardware confiável e sistema operacional

As pesquisas da Gartner mostram invariavelmente que a segurança é a área mais significativa de preocupação técnica para as organizações que implantarem sistemas IoT. Isso é porque as organizações geralmente não têm controle sobre a origem e a natureza do software e do hardware que estão sendo utilizados nas iniciativas de IoT. “No entanto, até 2023, esperamos ver a implantação de combinações de hardware e software que, juntas, criarão sistemas IoT mais confiáveis e seguros”, disse Jones. “Nós aconselhamos os CIOs a colaborar com os principais executivos de segurança de informações, para garantir que a equipe certa esteja envolvida na revisão de quaisquer decisões que envolvam a compra de dispositivos IoT e sistemas operacionais a eles incorporados”.

Tendência no 8: Novas experiências dos usuários de IoT

experiência dos usuários (UX) de IoT abrangem uma ampla gama de tecnologias e técnicas de design. Elas serão impulsionadas por quatro fatores: novos sensores, novos algoritmos, novas arquiteturas de experiência e contexto e experiências socialmente conscientes. Com um número crescente de interações que ocorrem com coisas que não têm telas e teclados, os designers de UX das organizações serão obrigados a usar novas tecnologias e adotar novas perspectivas, se quiserem criar uma UX superior que reduza o atrito, bloqueie os usuários e incentive o uso e a retenção.

Tendência no 9: A inovação dos chips de silício

“Atualmente, a maioria dos dispositivos dos terminais da IoT usa chips de processadores convencionais, com arquiteturas ARM de baixa potência, que são particularmente populares. No entanto, os conjuntos de instruções tradicionais e as arquiteturas de memória não são adequados para todas as tarefas que os terminais precisam executar ”, disse Jones. “Por exemplo, o desempenho de redes neurais profundas (DNNs, do inglês “deep neural networks”) é frequentemente limitado pela largura da banda da memória, em vez do poder de processamento”.

Até 2023, espera-se que novos chips de finalidade especial reduzam o consumo de energia necessária para executar uma DNN, permitindo novas arquiteturas de ponta e funções DNN incorporadas a terminais de IoT de baixa potência. Isso suportará novos recursos, como análise de dados integrada a sensores e reconhecimento de fala, incluídos em dispositivos de baixo custo movidos a bateria. Os CIOs são aconselhados a tomar nota dessa tendência, já que os chips de silício que permitem funções como IA incorporada, por sua vez, permitirão que as organizações criem produtos e serviços altamente inovadores.

Tendência no 10: Novas tecnologias de rede sem fio para IoT

As redes de IoT envolvem equilibrar um conjunto de requisitos concorrentes, como custo de terminais, consumo de energia, largura de banda, latência, densidade de conexão, custo operacional, qualidade de serviço e alcance. Nenhuma tecnologia de rede otimiza tudo isso e as novas tecnologias de rede da IoT fornecerão mais opções e flexibilidade aos CIOs. Em particular, eles deverão explorar 5G, a próxima geração de satélites de baixa órbita terrestre e redes de retrodispersão.

* Nota: A Gartner define uma tendência estratégica de tecnologia como uma que tem potencial disruptivo substancial, que está começando a sair de um estado emergente para um impacto e uso mais amplos; ou como uma tendência que está crescendo rapidamente com um alto grau de volatilidade, e que atingirá um ponto de inflexão nos próximos cinco anos.

ABINC Summit

Sobre o Gartner Symposium/ITxpo

O Gartner Symposium/ITxpo é o encontro mais importante do mundo entre CIOs e outros executivos seniores de TI. Os executivos de TI confiam nesses eventos para obter informações sobre como suas organizações poderão usar a TI para superar desafios empresariais e melhorar a eficiência operacional. Siga as notícias e atualizações dos eventos no Twitter usando #GartnerSYM.

Sobre a Gartner

A Gartner, Inc. (NYSE: IT), é a principal empresa de pesquisa e consultoria do mundo e membro da S&P 500. Equipam líderes de negócios com insights, conselhos e ferramentas indispensáveis para alcançar hoje suas prioridades críticas de missão e construir as organizações de sucesso de amanhã.

Sua combinação incomparável de pesquisas conduzidas por especialistas de origem profissional e orientada por dados orienta os clientes para tomar as decisões corretas sobre os assuntos mais importantes. Oferecem consultoria confiável e recursos objetivos para mais de 15.000 organizações em mais de 100 países – em todas as principais funções, em todos os setores e tamanhos de empresas.

Fonte: Gartner.com